Cristã é morta por parentes com machado e tem o rosto esmagado com pedras, na Índia

  • 08/07/2024
Cristã é morta por parentes com machado e tem o rosto esmagado com pedras, na Índia
Cristã é morta por parentes com machado e tem o rosto esmagado com pedras, na Índia (Foto: Reprodução)

No final de junho, um homem residente em uma aldeia tribal na Índia foi acusado de assassinar sua sobrinha de 32 anos utilizando um machado e pedras.

Segundo relatos, o agressor justificou o ataque brutal alegando que sua sobrinha e seus familiares haviam perdido o direito às terras agrícolas ancestrais ao se converterem ao Cristianismo.

Bindu Sodi, da vila de Toylanka, no estado de Chhattisgarh, era a única provedora de sua mãe, irmã, irmão mais novo, a esposa dele e o filho do casal de 2 anos. Os parentes sobreviventes não podem retornar para casa devido a ameaças de morte.

Disputa de terras

Duas semanas antes do assassinato de Bindu, seu tio, Chetu Sodi, e o filho dele, Kumma Sodi, ocuparam um terço das terras pertencentes a Bhima Sodi, irmão mais novo de Bindu. Eles invadiram a propriedade e plantaram sementes, apropriando-se da área.

O oficial do departamento de receita convocou Chetu Sodi para prestar esclarecimentos, mas ele recusou-se a comparecer, segundo informações do pastor Telam. Diante da recusa, o oficial instruiu o registrador da vila a visitar a residência de Chetu Sodi para verificar a reivindicação e determinar quem é o legítimo proprietário da terra.

Aarti Mandavi, irmã mais nova de Bindu, disse que o registrador enfrentou oposição de Chetu Sodi.

“O tio disse ao registrador que, como todos nos tornamos cristãos, não temos direito sobre a propriedade ancestral e, portanto, ele se recusou a assinar os papéis que o registrador estava carregando”, disse Mandavi, um cristão que viveu com Bindu no ano anterior.

Medidas legais

O agente do departamento de receita determinou que Chetu Sodi fosse formalmente notificado para comparecer ao cartório. Caso contrário, ele enfrentaria medidas legais por não conformidade, conforme relatado por Mandavi.

"Mas já era tarde demais", disse o pastor Telam, relatando que Chetu Sodi e seu filho avançaram e cultivaram outra parte da terra de Bhima Sodi.

"Bhima e toda a família estavam muito perturbados com a maneira como as coisas estavam acontecendo. Bhima não tinha emprego; ele cuidava das terras agrícolas. Eles não sabiam quanto tempo levariam os procedimentos do departamento de receita."

Na noite de 24 de junho, Bhima Sodi, sua esposa, Tulsi, e Bindu Sodi e sua mãe decidiram cultivar a única porção de suas terras que restava antes que o tio assumisse também, disse o pastor Telam. Alguém os viu trabalhando em suas terras e informou Chetu Sodi, que chegou rapidamente com seu filho.

Agressões

Com seu celular em mãos, Bindu Sodi capturou imagens de seu tio pegando pedras e iniciando o ataque. Enquanto isso, Bhima Sodi e sua mãe se apressaram em deixar o campo em um trator, enquanto Bindu Sodi e Tulsi escaparam a pé.

"Enquanto corria, Bindu tropeçou em algo e caiu", contou Mandavi ao Morning Star News. "O celular foi lançado à distância, e Tulsi virou-se, pegou o telefone e aproximou-se para ajudar Bindu, mas o tio e seu filho alcançaram Bindu e começaram a agredi-la."

Tulsi Sodi correu para entregar o telefone a Bhima Sodi, que imediatamente ligou para a polícia. No entanto, o chefe da delegacia informou que, devido ao anoitecer, as autoridades não conseguiriam chegar ao local até a manhã seguinte, conforme relatou Mandavi.

"Bhima entrou em contato com um Fórum Cristão Tribal e o líder, por sua vez, chamou o responsável pela delegacia de polícia e [insistiu para que fossem à fazenda], explicando que a situação era grave", disse o Pastor Telam.

Campo de sangue

Quando a polícia chegou com uma ambulância, Mandavi disse que “o campo estava molhado com o sangue de Bindu”.

Segundo testemunhas, Chetu Sodi e seu filho agrediram Bindu Sodi, golpeando-a com pedras e um machado, além de espancá-la e chutá-la. Ele e seu filho a deixaram meio morta e começaram a ir atrás de Bhima Sodi e sua mãe, disse Mandavi.

"Bhima e sua mãe se esconderam na casa de alguém para salvar suas vidas", ela disse. "Quando o tio não conseguiu encontrá-las, eles voltaram e mais uma vez começaram a agredir Bindu até que ela morresse."

Mandavi disse que ficou chocada com a brutalidade do ataque, que deixou Bindu Sodi com ferimentos no rosto, cabeça e pescoço.

"Algumas partes da carne das bochechas dela estavam faltando", disse Mandavi, soluçando. "Ela foi atingida pelo machado várias vezes em vários lugares, eles esmagaram seu rosto com pedras e a agrediram brutalmente até que ela sangrasse até a morte no campo."

Prisões

A polícia enviou o corpo dela para autópsia em Dantewada, para onde a família também foi levada. No dia seguinte, a polícia prendeu Chetu Sodi. Os policiais prenderam seu filho, Kumma Sodi, em 29 de junho.

A polícia formalizou o Primeiro Relatório de Informações de número 30/2024, enquadrando Chetu Sodi e Kumma Sodi por assassinato sob a Seção 302 e por atos criminosos cometidos em conjunto sob a Seção 34.

Um ativista de direitos humanos em Déli, que preferiu não ser identificado, relatou ter entrado em contato com a polícia em 26 de junho e tomado conhecimento do FIR.

No entanto, ao mencionar a resistência à conversão de Bindu Sodi ao cristianismo, "o policial minimizou a questão, indicando que tanto o acusado quanto a vítima eram da mesma família e estavam envolvidos em uma disputa por terras".

O pastor Telam contestou a interpretação da polícia, argumentando que se o conflito fosse meramente uma disputa familiar por terras, não haveria razão para impedir o enterro de Bindu na vila.

"Por que a polícia nos proibiu de realizar o enterro de Bindu na vila? Por que tentaram evitar qualquer tensão sectária, impedindo um enterro cristão dentro da comunidade? É inegável que existe um elemento de perseguição cristã por trás do assassinato", afirmou ele.

Pressão policial

Após o enterro em 26 de junho, o pastor Telam disse ao Morning Star News que a polícia pressionou a família a enterrar o corpo de Bindu a 30 quilômetros de sua aldeia natal.

"Infelizmente, a polícia não tomou uma posição a nosso favor nem nos deu proteção policial para realizar o enterro em nossa terra natal", disse o Pastor Telam.

"O corpo de Bindu foi rapidamente transportado do necrotério para o local do enterro em Dantewada, e em pouco tempo o enterro foi realizado à noite."

Ele disse também que os policiais ameaçaram prendê-lo por se opor à recusa da polícia em honrar os desejos da família de um enterro na vila.

“A polícia até ameaçou me colocar na cadeia por quatro ou cinco horas se eu continuasse a encorajar a família a exigir que o enterro fosse realizado na vila”, ele disse.

“Eles disseram que eu envenenei as mentes dos membros da família para conduzir o enterro na vila, e é por isso que a família está se tornando teimosa sobre isso.”

Ameaças de morte

Bhima Sodi e sua família têm recebido ameaças de morte contínuas por parte dos moradores, que se mostraram unidos na intenção de proteger Kumma Sodi de ser preso, conforme relatado por Mandavi.

Antes da prisão de Kumma Sodi, os moradores chegaram a afirmar que ele mataria outro membro da família caso a polícia continuasse a persegui-lo, acrescentou ela.

“Estamos com medo de voltar”, disse Mandavi do quarto alugado pela família, a 32 quilômetros da vila. “Ficaremos aqui por alguns dias até que o assunto seja resolvido.”

Bindu Sodi era a única fonte de renda da família, informou o pastor. Mandavi acrescentou que, após a morte do pai, sua irmã assumiu a responsabilidade pelo sustento da família e "nunca se casou, dado que precisava cuidar de muitos membros".

Ela aceitou um emprego como professora no centro de assistência à infância e à maternidade patrocinado pelo governo da vila, no âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento Infantil.

Bindu foi a primeira pessoa da aldeia de Toylanka a aceitar a Cristo, disse o pastor Telam.

“É por causa de seu evangelismo que mais oito famílias naquela vila vieram a Cristo”, ele disse. “Ela foi uma grande evangelista de nossa igreja.”

A Índia figura em 11º lugar na lista de países onde é mais difícil ser cristão da organização de apoio cristão Portas Abertas. O país estava em 31º em 2013, mas sua posição piorou depois que o primeiro-ministro Narendra Modi chegou ao poder.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/crista-e-morta-por-parentes-com-machado-e-tem-o-rosto-esmagado-com-pedras-na-india.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. Deserto

Maria Marçal

top2
2. Árvore Cortada

Valesca Mayssa

top3
3. A Prova Está Doendo

Eduarda Caroline

top4
4. Volta Espírito Santo

Gerson Rufino

top5
5. Além do Rio Azul

Voz da Verdade

Anunciantes